Fim da novela, Ducati liberada no MotoGP!

OnRoad 27/03/2019


Depois do MotoGP, que abriu a temporada de 2019 no Qatar em 10 de março, queixas técnicas sobre o uso de um dispositivo nas motos Ducati foram apresentados aos comissários FIM MotoGP, pelo Team Suzuki Ecstar contra Jack Miller (Alma Pramac Racing), pela equipe Repsol Honda contra Andrea Dovizioso (Ducati Winnow Mission), e pela equipe Red bull KTM de fábrica e equipe Aprilia que compete Gresini contra Danilo Petrucci (Ducati Winnow Mission).



Alegavam que o equipamento era principalmente um dispositivo aerodinâmico e que, portanto, não cumpria os regulamentos técnicos do MotoGP. Depois de uma audiência, os quatro protestos foram rejeitados.

As mesmas quatro equipes apresentaram recursos contra a decisão dos comissários de MotoGP e foi realizada uma nova audiência. Os comissários de apelo do MotoGP determinaram que era necessária uma avaliação técnica adicional e que isso não era possível nas circunstâncias. Por isso, decidiram remeter a questão para o Tribunal de Recurso de MotoGP, de acordo com o estipulado no Art. 3.3.3.3.2 dos regulamentos aplicáveis.



Depois de uma audiência na sexta-feira, 22 de março do Tribunal de Recurso MotoGP, entregou a sua decisão na terça-feira 26 de março, as quatro equipes, Ducati e a FIM foram devidamente informados.

“Por estas razões, o Tribunal de Recurso de MotoGP decide que:

Os recursos apresentados pela Team Aprilia, Team Suzuki, Team Honda e Team KTM são admitidos.

Os resultados provisórios da corrida são confirmados e declarados finais.

O pedido para declarar o dispositivo ilegal e proibir seu uso em futuras carreiras é rejeitado.

Esta decisão pode ser apelada ao Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) de Lausanne, Suíça, dentro de um período de 5 dias, de acordo com o Artigo 3.9 do Regulamento.”